ESPECIALISTAS DA OMS RECOMENDAM AMPLO USO DA VACINA ASTRAZENECA

Especialistas da OMS recomendam amplo uso da vacina AstraZeneca.

 

 

  


 
10 fevereiro 2021.

 

 

 

Saúde

 

 
Painel considera que benefícios superam riscos e que imunização deve ser autorizada, incluindo para pessoas com mais de 65 anos; doses devem ser administradas com intervalo de oito a 12 semanas.
Um painel da Organização Mundial de Saúde, OMS, disse que os benefícios da vacina da AstraZeneca e Universidade de Oxford superam quaisquer riscos. Os cientistas declararam que a injeção deve ser recomendada para uso, incluindo em pessoas com mais de 65 anos.
Em recomendações provisórias, o Grupo Consultivo Estratégico de Especialistas em Imunização, Sage na sigla em inglês, disse que a vacina deve ser administrada em duas doses, com um intervalo de cerca de oito a 12 semanas entre a primeira e a segunda doses.

 

 

 

Recomendações

 

 

Segundo o presidente do painel de especialistas da OMS, Alejandro Cravioto, o efeito da injeção em pessoas mais velhas deve ser o mesmo que em recipientes mais jovens.

 

 



 
A notícia é importante para os países em desenvolvimento. A AstraZeneca é parceira da Covax, a iniciativa da OMS para garantir uma distribuição global da vacina. Além disso, o produto é mais fácil de implantar do que outros, porque não precisa de ser armazenado em temperaturas ultrafrias e custa menos.
A Covax espera distribuir pelo menos 2 bilhões de doses até o final do ano, vacinando pelo menos 20% da população de cada país participante.

 

Alerta

 

 

No domingo, a África do Sul anunciou a suspensão temporária da vacina da AstraZeneca depois de um estudo mostrar uma eficácia mínima na prevenção de doenças moderadas causadas por uma variante identificada no país. 
Segundo o painel, mesmo com estas questões, “não há razão para não recomendar seu uso”.

 

 

   

 

 

 

 

 

Na segunda-feira, falando a jornalistas em Genebra, o diretor-geral da agência, Tedros Ghebreyesus, disse que “o surgimento de novas variantes do vírus levanta questões sobre o impacto potencial dessas variantes nas vacinas.”
 
Para o chefe da OMS, “parece cada vez mais claro que os fabricantes terão que se ajustar à evolução do vírus, levando em consideração as variantes mais recentes.” 
Ghebreyesus deu o exemplo das vacinas contra a gripe, que são atualizadas duas vezes por ano para manter sua eficácia contra as cepas dominantes. 
O chefe da agência disse ainda que todos tem um papel a desempenhar. Cada vez que alguém decide ficar em casa, para evitar multidões, usar uma máscara ou limpar as mãos, está negando ao vírus a oportunidade de se espalhar e mudar de maneiras que tornam as vacinas menos eficazes.
 

 

FONTE: ONU News - OMS