VOCÊ CONHECE A ORIGEM?

 
 
Em 1975, a ONU instituiu que dia 8 de março é o Dia Internacional da Mulher. Essa data simboliza a luta histórica das mulheres para terem suas condições sociais equiparadas às dos homens. Inicialmente, essa data remetia à reivindicação por igualdade salarial, mas, atualmente, simboliza a luta das mulheres não apenas contra a desigualdade salarial, mas também contra a falta de respeito, o machismo e a violência de todas as formas.
 
A ideia de criar o Dia da Mulher surgiu entre o final do século XIX e o início do século XX nos Estados Unidos e na Europa, no contexto das lutas feministas por melhores condições de vida, trabalho e pelo direito de voto. Essa mobilização política, ao longo do século XX, deu importância para o 8 de março como um momento de reflexão e de luta. A construção dessa data está relacionada a uma sucessão de diversos tipos de acontecimentos.
 
Um dos mais marcantes, ocorreu no dia 25 de março de 1911, um incêndio aconteceu em Nova York na Triangle Shirtwaist Company e vitimando 146 pessoas, sendo que 125 eram mulheres. As causas desse incêndio foram as péssimas instalações elétricas associadas à composição do solo e das horríveis dependências e repartições da fábrica, também, à quantidade de tecido presente no recinto que serviu de combustível para o fogo. Além disso, o pior foi atitudes que diversos proprietários de fábricas da época, incluindo o da Triangle, trancavam seus funcionários na fábrica durante o expediente como forma de conter e inibir reuniões e greves. E foi num momento deste que a Triangle pegou fogo, e com as portas trancadas.
 
Essas discussões se prorrogaram e, após a Segunda Guerra Mundial, o dia 8 de março já era considerado o dia das mulheres em alguns lugares do mundo. Em 1975, a ONU oficializa esse dia como sendo o Dia Internacional das Mulheres e declara que aquele ano como Ano Internacional das Mulheres.
 
O Dia Internacional da Mulher não é um mero dia voltado simplesmente a homenagens triviais às mulheres, mas diz respeito a um convite à reflexão referente a como a sociedade as trata, sendo elas, ator fundamental no contexto. Essa reflexão vale tanto para o campo do convívio afetivo, familiar e social quanto para as questões relacionadas ao mercado de trabalho.